BEM VINDA! PRAZO DE POSTAGEM DO LANÇAMENTO: 7 DIAS ÚTEIS

como surgiu a lela brandão co.?


De onde surgiu a ideia de criar uma marca de roupas que priorizassem o conforto para mulheres? Nesse post a gente conta um pouco da trajetória da Lela em sua relação com seu corpo, suas criações, seu trabalho artístico e o que as roupas têm a ver com tudo isso :)

 

Uma amiga da Lela engravidou esse ano e ela desabafou que não estava cabendo em nenhuma roupa. Na época, a Lela começou a buscar soluções.
Se ela tivesse algumas peças específicas, ela não teria que comprar roupas novas. A Lela então entendeu que, inconscientemente, ao longo dos anos, mudou o jeito de se vestir. Passou a usar roupas que não a limitassem, e que se adaptam ao seu corpo e fases da vida.


Depois de levar a questão para análise, percebeu que a mudança no jeito de se vestir está ligada ao seu processo de aceitação. Na pré adolescência, sofreu alguns distúrbios alimentares como anorexia, bulimia e dismorfia corporal, então as roupas serviam como ferramentas de competição com ela mesma.

Ao longo dos anos, transformou o seu guarda roupa e passou a aceitar apenas as peças que servem de verdade. Roupas adaptáveis e livres de cobranças.

Foi assim que surgiu a ideia de criar uma marca: para reunir essas possibilidades e maneiras de se relacionar com o corpo em um só espaço.

A moda sempre esteve presente na vida da Lela como ferramenta de expressão, afinal, tem um ascendente fortíssimo em libra, além do sol em capricórnio. Desde sempre, percebeu a importância que as roupas têm na hora de passar uma mensagem, e entendeu como elas são capazes de transformar o humor de alguém.


Depois de trabalhar em casa durante alguns anos, percebeu que a sua relação com o vestir está ainda mais próxima e íntima. Logo que acorda, escolhe as roupas a partir de como deseja se sentir no dia, mas a prioridade é sempre o bem estar. Isso tem a ver conforto, mas também as cores e estética. Tudo é potência!

 

vem assistir o vlog que mostra todo o processo de criação da marca!

clica aqui pra parte 1

clica aqui pra parte 2

 


Deixe um comentário


Os comentários precisam ser aprovados antes de serem publicados